Sylvia Day - Crossfire 05 - Todo Seu {Trecho 5 ~ Tradução}




Para quem não sabe, hoje, dia 14 de fevereiro, é o dia de São Valentin, também conhecido como Dia dos Namorados na gringolândia...

E para comemorar tal data festiva, titia Sylvia Day liberou mais um trecho do primeiro capítulo de 'Todo Seu', o 5o e último livro da série 'Crossfire'. E como sempre, trouxe para vocês a tradução!

Lembrando o esqueminha básico das traduções de cada dia do blog: se for reproduzir a tradução em algum lugar, não deixe de dar os créditos ao blog!
Sinopse:
"Gideon Cross. Me apaixonar por ele foi a coisa mais fácil que eu já fiz. Aconteceu instantaneamente. Completamente. Irrevogavelmente.
Casar com ele foi a realização de um sonho. Continuar casada com ele era a luta da minha vida. O amor transforma. O nosso é tanto um refúgio da tempestade quanto a mais violenta das tempestades. Duas almas danificadas juntas em uma.
Enterramos nossos profundos e feios segredos um no outro. Gideon é o espelho que reflete todas as minhas falhas...e toda a beleza que eu não posso ver. Ele me deu tudo. Agora, tenho que provar que eu posso ser sua rocha, o abrigo que ele é para mim. Juntos, nós podemos enfrentar aqueles que trabalham tão arduamente para ficar entre nós.
Mas a nossa maior batalha pode estar nos nossos votos que nos dão forças. Comprometer a amar era apenas o começo. Lutar por ele iria nos deixar livres ... ou iria nos separar.
Dolorosa e sedutoramente pungente, Todo Seu é o final tão aguardado da saga Crossfire, a lancinante história de amor que cativou milhares de leitores pelo mundo."
Trecho 5 [Eva]

— Você está se demitindo?
O olhar incrédulo de Mark Garrity levantou da minha carta de demissão para encontrar o meu.
Meu estômago doeu pela expressão no rosto do meu chefe.
— Sim. Sinto muito não dar muito tempo.
— Amanhã é o seu último dia? — Ele se reclinou em sua cadeira. Seus olhos eram de um tom quente de chocolate, algumas tonalidades mais clara que sua pele, e registravam tanto surpresa quanto desânimo. — Por que, Eva?
Suspirando, me inclinei, descansando meus cotovelos nos joelhos. Ainda assim, decidi ir pela verdade.
— Eu sei que não é profissional sair assim, mas... Eu tenho que rever minhas prioridades e neste momento... Não consigo dar ao trabalho minha total atenção, Mark. Sinto muito.
— Eu... — Ele soltou o ar e correu a mão em seus cachos escuros. — Inferno... O que eu posso dizer?
— Que você me perdoa e não vai usar isso contra mim? — Deixei escapar uma risada sem humor. — É pedir demais, eu sei.
Ele conseguiu dar um sorriso torto.
— Eu detesto perder você, Eva, você sabe disso. Não tenho certeza se alguma vez eu realmente expressei o quanto você contribuiu. Você me faz trabalhar melhor.
— Obrigada, Mark. Eu agradeço. — Deus, isso era mais difícil do que eu tinha imaginado, mesmo sabendo que era a melhor e única decisão que eu poderia tomar.
Meu olhar foi para além do meu belo chefe, para a vista atrás dele. Como gerente de contas júnior, ele tinha um escritório pequeno e a vista era bloqueada pelo prédio do outro lado da rua, mas ainda assim era essencialmente Nova York como o enorme escritório de Gideon Cross no último andar.
De diversas maneiras, essa divisão de andares se parecia com a maneira que eu tentei definir meu relacionamento com Gideon. Eu sabia quem ele era. Sabia o que ele era: um homem único. Eu amava isso nele e não queria que ele mudasse; eu queria apenas alcançar seu nível com meu próprio mérito. O que eu não tinha considerado era que ao teimosamente recusar a aceitar que nosso casamento mudava o plano, eu o estava puxando para o meu nível.
Eu não seria conhecida por conseguir meu caminho para o topo da minha área. Para algumas pessoas, eu sempre teria casado para o sucesso. E eu teria que viver com isso.
— Então, para onde você vai daqui? — Mark perguntou.
— Honestamente... Ainda estou tentando descobrir. Apenas sei que não posso ficar.
Meu casamento não aguentaria tanta pressão antes de acabar, e eu tinha permitido que se infiltrasse e levasse a um perigoso limite, tentando conseguir alguma distância. Tentando me colocar em primeiro lugar.
Gideon Cross era tão profundo e vasto quanto o oceano, e eu havia temido me afogar nele desde o primeiro momento em que o vi. Eu não poderia mais ter medo disso. Não depois de perceber que eu temia mais perdê-lo.
Ao tentar ficar neutra, eu tinha sido jogada de um lado para o outro. E tão emputecida quanto estava por aquilo, eu não tive tempo para compreender que se eu quisesse controle, eu tinha que tomá-lo.
— Por causa da conta da LanCorp? Mark perguntou.
— Em parte. — Alisei minha saia lápis, mentalmente afastando o persistente ressentimento por Gideon contratar Mark. O catalisador havia sido LanCorp ter vindo para a Waters Field & Leaman com a solicitação específica por Mark—e depois por mim—uma manobra que Gideon via com suspeita. O esquema Ponzi de Geoffrey Cross havia dizimado a fortuna da família Landon, e enquanto Ryan Landon e Gideon tinham reconstruído o que seus pais tinham perdido, Landon ainda estava faminto por vingança. — Mas principalmente por razões pessoais.
Endireitando-se, ele coloca os cotovelos na mesa e se inclina para mim.
— Isso não é da minha conta e não vou bisbilhotar, mas você sabe que o Steven, a Shawna, e eu estamos todos aqui para você, se precisar de nós. Nos importamos com você.
Sua seriedade fez meus olhos arderem com lágrimas. O noivo dele, Steven Ellison, e a irmã de Steven, Shawna, tinham se tornado queridos para mim nos meses que eu estava em Nova York, parte da nova network de amigos que eu tinha construído na minha vida nova. Não importando o quê, eu não queria perder minha conexão com pessoas que eu tinha aprendido amar.
— Eu sei. — Sorri apesar da tristeza. — Se eu precisar de vocês, ligarei, eu prometo. Mas vai tudo sair bem. Para todos nós.
Mark relaxou e sorriu de volta.
— Steven vai enlouquecer. Talvez eu devesse fazer você contar para ele.
Pensando no empreiteiro corpulento e bonito, mandou toda tristeza embora. Steven me daria trabalho por me afastar do seu parceiro, mas ele faria isso de bom coração.
— Aw, qual é. — Provoquei. — Você não faria isso comigo, faria? Isso aqui já é difícil o suficiente.
— Não sou contra em fazer ainda mais difícil.
Eu ri. Sim, eu iria sentir falta de Mark e do meu trabalho. Muito.
Clique aqui para conferirem o trecho original em inglês. 

Caso você tenha perdido, eu já havia liberado a tradução do primeiro trecho e do segundo trecho... Abaixo estou colocando o link para acesso:

             * Capítulo 01
             * Trecho 02
             * Trecho 03
             * Trecho 04 

Espero que  a Sylvia Day continue liberando mais trechos até abril... Não precisa ser exatamente em doses homeopáticas, só continue liberando... Hahaha!

Ah, outra coisa! Sylvia Day andou sinalizando por aí que não se surpreenderia se surgissem livros com a irmã de Gideon, Ireland, como protagonista... Ou seja, teremos mais coisinhas vindo por aí!

Espero que tenham gostado, e lembrem de dar os devidos créditos ao blog se forem reproduzir o texto em algum lugar.

Caso você ainda não visto, o livro já entrou em pré-venda aqui no Brasil em diversas lojas! Já garantiu o seu?

Beijos,
Mari.

0 recadinhos :

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...