Sylvia Day - Crossfire 05 - Todo Seu {Trecho 2 ~ Tradução}




Nos Estados Unidos, no dia 26 de novembro é comemorado o Dia de Ação de Graças...

E para celebrar este dia de agradecimentos, titia Sylvia Day disponibilizou mais um trecho do próximo livro! Ao que tudo indica, é continuação do primeiro capítulo, que eu já postei para vocês aqui.

Sim, claro, óbvio que trouxe a tradução para vocês! Hahahah.

Lembrando o esqueminha básico das traduções de cada dia do blog: se for reproduzir a tradução em algum lugar, não deixe de dar os créditos ao blog!
Sinopse: 
"Gideon Cross. Me apaixonar por ele foi a coisa mais fácil que eu já fiz. Aconteceu instantaneamente. Completamente. Irrevogavelmente.
Casar com ele foi a realização de um sonho. Continuar casada com ele era a luta da minha vida. O amor transforma. O nosso é tanto um refúgio da tempestade quanto a mais violenta das tempestades. Duas almas danificadas juntas em uma.
Enterramos nossos profundos e feios segredos um no outro. Gideon é o espelho que reflete todas as minhas falhas...e toda a beleza que eu não posso ver. Ele me deu tudo. Agora, tenho que provar que eu posso ser sua rocha, o abrigo que ele é para mim. Juntos, nós podemos enfrentar aqueles que trabalham tão arduamente para ficar entre nós.
Mas a nossa maior batalha pode estar nos nossos votos que nos dão forças. Comprometer a amar era apenas o começo. Lutar por ele iria nos deixar livres ... ou iria nos separar.
Dolorosa e sedutoramente pungente, Todo Seu é o final tão aguardado da saga Crossfire, a lancinante história de amor que cativou milhares de leitores pelo mundo."
Trecho 2 [Eva]
Eu deveria ter caminhado na cobertura do meu padrasto nas pontas dos pés e segurando a respiração, já que a hora—um pouco mais de 6 da manhã—significava provavelmente ser flagrada me esgueirando de volta para o apartamento. Em vez disso, entrei com objetivo, meus pensamentos ocupados com as mudanças que eu precisava fazer.
Eu tinha tempo para um banho—rápido—mas decidi por não tomar um. Fazia tanto tempo desde que Gideon tinha me tocado. Muito tempo desde que suas mãos tinham estado em mim, seu corpo dentro do meu. Eu não queria lavar a lembrança de seu toque. Só isso já me dava forças para fazer o que tinha que ser feito.
Uma luminária foi ligada.
— Eva.
Eu pulei.
— Jesus.
Girando, vejo minha mãe sentada em um dos sofás da sala.
— Você me assustou pra caramba! — Acusei, passando a mão em meu peito para acalmar meu coração aos pulos.
Ela levantou, seu longo robe de cetim cintila ao redor de suas pernas tonificadas e levemente bronzeadas. Eu era sua única filha, mas poderíamos nos passar como irmãs. Monica Trammell Barker Mitchell Stanton era obsessiva no quesito aparência. Como uma esposa de troféu de carreira, sua jovial beleza era o que a mantinha no jogo.
— Antes de você começar, — eu falo, — sim, nós temos que conversar sobre o casamento. Mas eu realmente tenho que me arrumar e pegar as minhas coisas para que eu possa ir para casa hoje de noite—
— Você está tendo um caso?
Sua curta pergunta me assustou mais do que a emboscada.
O quê? Não!
Ela exalou, a tensão visivelmente deixando seus ombros.
— Graças a Deus. Você vai me dizer o que diabos está acontecendo? O quão ruim foi essa discussão que você teve com Gideon?
Ruim. Por um momento, me preocupei de que ele acabaria conosco com as decisões que ele tomou.
— Nós estamos cuidando disso, mãe. Foi apenas uma pequena turbulência.
— Uma pequena turbulência que fez você evitá-lo por dias? Essa não é a maneira de lidar com seus problemas, Eva.
— É uma longa história—
Ela cruzou os braços.
— Não estou com pressa.
— Bem, eu estou. Tenho que me arrumar para o trabalho.
Mágoa cruzou seu rosto e me senti instantaneamente culpada.
Uma vez quisera crescer para ser como minha mãe. Passei horas me vestindo com suas roupas, subindo em seus saltos, cobrindo meu rosto com seus caros cremes e maquiagens. Tentei simular sua voz rouca e suas maneiras sensuais, certa de que minha mãe era a mais bela e perfeita mulher no mundo. E seu geito com homens, a maneira como eles olhavam para ela e cuidavam dela... bem, eu tinha querido aquela mágica dela também.
No final, cresci para ser sua imagem viva, fora o estilo dos nossos cabelos e a cor dos meus olhos. Mas aquilo era apenas no exterior. Quem éramos como mulheres não poderíamos sermos mais diferentes e, tristemente, isso era algo que eu tinha muito orgulho. Parei de me virar para ela em busca de conselhos, exceto quando o assunto era roupas e decoração.
Isso ia mudar. Agora.
Eu tentei as mais diferentes táticas no meu relacionamento com Gideon, mas eu não tinha pedido ajuda da única pessoa perto de mim que sabia o que era estar casada com homens proeminentes e poderosos.
— Preciso do seu conselho, mãe.
Minhas palavras pairaram no ar, então as observei afundarem. Os olhos de minha mãe se arregalaram em surpresa. Um momento depois ela estava de volta ao sofá como se seus joelhos tivessem falhado. Seu choque foi um golpe duro, me dizia completamente como eu a havia deixado de fora.
Eu estava doendo por dentro quando sentei no sofá à sua frente. Aprendi ter cuidado sobre o que divido com minha mãe, fazendo meu melhor para conter informações que poderiam começar discussões que me deixariam louca.
Nem sempre fora daquela maneira. Meu 'meio-irmão' havia tirado de mim meu calor e meu fácil relacionamento com minha mãe, assim como ele havia tirado minha inocência. Depois que minha mãe tomou conhecimento do abuso, ela mudou, se tornou superprotetora ao ponto de me seguir e vigiar. Ela era extremamente confiante sobre tudo em sua vida, menos eu. Comigo, ela era ansiosa e intrusiva, algumas vezes beirando a histeria. Com os anos, me forcei a contornar demais a verdade, manter segredo de todos que eu amava só para mantê-los tranquilos.
— Eu não sei como ser o tipo de esposa que o Gideon precisa. — Confessei.
Seus ombros endireitaram, sua postura inteira mudou em ultraje.
Ele está tendo um caso?
— Não! — Uma risada relutante escapou de mim. — Ninguém está tendo um caso. Não faríamos isso conosco. Não poderíamos. Pare de se preocupar sobre isso.
Eu tinha que me perguntar se a recente infidelidade de minha mãe com meu pai era algo que a preocupava. Aquilo pesava em sua consciência? Ela se questionava o que tinha com Stanton? Eu não sabia como me sentir sobre isso. Eu amava tanto meu pai, mas também acreditava que meu padrasto era perfeito para minha mãe, da maneira que ela precisava que um marido fosse.
— Eva—
— Gideon e eu fugimos umas semanas atrás. — Deus, como era bom dizer aquilo.
Ela piscou para mim. Uma, duas vezes.
— O quê?
— Não contei para o papai ainda, — continuei. — Mas vou ligar para ele hoje.
Os olhos dela brilharam com lágrimas.
Por que? Deus, Eva... como pudemos nos afastar tanto?
— Não chore. — Me levantei e sentei ao seu lado. Segurei suas mãos, mas ao invés disso ela me puxou para um abraço apertado.
Respirei aquele cheiro familiar e senti o tipo de tranquilidade que apenas se encontra nos braços de uma mãe. Por alguns momentos, de qualquer maneira.
— Não foi planejado, mãe. Saímos para o final de semana, e Gideon me perguntou se eu toparia, e ele fez os preparativos... Foi espontâneo. No calor do momento.
Ela se afasta, revelando a trilha de lágrimas em seu rosto e fogo nos olhos.
— Ele se casou com você sem um acordo pré-nupcial?
Eu ri, tive que rir. Claro que minha mãe iria zerar nos detalhes financeiros. Dinheiro sempre tinha travado uma batalha na sua vida.
— Claro que teve um acordo.
— Eva Lauren! Você ao menos deu uma olhada? Ou foi espontâneo, também?
— Eu li cada palavra.
— Você não é uma advogada! Deus, Eva... criei você para ser mais esperta que isso.
— Uma criança de seis anos teria entendido os termos. — Devolvi, irritada pelo real problema no meu casamento: Gideon e eu tínhamos muitas pessoas se metendo no nosso relacionamento, nos distraindo tanto que não tínhamos tempo para dedicar às coisas que realmente precisavam. — Não se preocupe com o acordo pré-nupcial.
— Você deveria ter pedido para Richard ler. Não vejo por que você não teria pedido. É tão irresponsável. Eu apenas não—
— Eu vi, Monica.
Nós duas viramos ao som da voz do meu padrasto. Stanton entrou na sala pronto para começar o dia, elegante em um terno azul marinho e gravata amarela. Imaginei que Gideon seria bem parecido com meu padrasto naquela idade: fisicamente em forma, imponente, e tão macho alfa como sempre.
— Você viu? — Perguntei, surpresa.
— Cross me enviou algumas semanas atrás. — Stanton se aproximou de minha mãe, pegando suas mãos nas dele. — Eu não poderia ter argumentado por termos melhores.
— Sempre há termos melhores, Richard! — Minha mãe disse prontamente.
— Há recompensas para marcos como aniversários de casamento e nascimento de filhos, e nada que possa penalizar Eva, a não ser aconselhamento conjugal. A dissolução seria mais do que a distribuição igualitária dos ativos. Fiquei tentado a perguntar se Cross deu para seu advogado revisá-lo. Imagino que eles tenham argumentado veemente contra o acordo.
Ela se acalmou por um momento, absorvendo tudo. Então se empertigou.
— Mas você sabia que eles iriam fugir para se casar? Você sabia, e não me disse nada?
— Claro que eu não sabia. — Ele a puxou para seus braços, a aconchegando suavemente como faria com uma criança. — Assumi que ele estava pensando no futuro. Você sabe que essas coisas normalmente demoram alguns meses de negociação. Embora, no caso, não tinha nada mais que eu pudesse pedir.
Me levantei. Tinha que me apressar se quisesse chegar no trabalho em tempo. Hoje, de todos os dias, não queria estar atrasada.
— Onde você está indo? — Minha mãe se afastou de Stanton. — Não terminamos essa conversa. Você não pode simplesmente jogar uma bomba como essa e sair!
Me virando para ficar de frente à ela, caminhei de costas.
— Sério, tenho que ir me arrumar. Por que não nos reunimos no almoço e falamos mais sobre isso?
— Você não pode—
Eu a cortei.
— Corinne Giroux.
Os olhos de minha mãe abriram, e então estreitaram. Um nome. Eu não tive que dizer mais nada.
A ex de Gideon era um problema que não precisava de maiores explicações.

Clique aqui para conferirem o trecho original em inglês. 

Caso você tenha perdido, eu já havia liberado a tradução do primeiro trecho semana passada... Abaixo estou colocando o link para acesso:

             * Capítulo 01

Espero que  a Sylvia Day continue liberando mais trechos até abril de 2016... Não precisa ser exatamente em doses homeopáticas, só continue liberando... Hahaha!

Lembrando que essa capa é a americana, a brasileira será outra já que a editora Paralela modificou todas as capas dos livros da série.

Ah, outra coisa! Sylvia Day andou sinalizando por aí que não se surpreenderia se surgissem livros com a irmã de Gideon, Ireland, como protagonista... Ou seja, teremos mais coisinhas vindo por aí!

Espero que tenham gostado, e lembrem de dar os devidos créditos ao blog se forem reproduzir o texto em algum lugar.

Beijos,
Mari.

Um comentário

  1. OMG... É ISSO QUE AMENIZA A DOR DA ESPERA... HAHAHHA
    TE AMO MARI!!!!!

    ResponderExcluir