K Webster - The Wild


Hoje eu tinha uma outra resenha para postar, mas resolvi que deveríamos conversar um pouco sobre o livro que está dando o que falar no mundo literário desde o dia 08 de agosto.

Para quem não sabe, rolou o maior fuzuê por causa do livro 'The Wild' da autora gringa K Webster que resultou em seu banimento não só da Amazon como também em diversas outras plataformas digitais.

O livro ainda não está disponível no Brasil e provavelmente nem será publicado por aqui, mas vocês sabem que não vai demorar para aparecer na rede...

Antes de seguir lendo o post, saibam que vou falar abertamente sobre do que se trata o livro, falarei coisas que vocês podem considerar spoiler ou então coisas que podem ser muito delicadas, afinal, como a própria autora informou, é um livro sobre tabu e um tanto quanto dark. Leia por sua própria conta e risco.
"Eu as levei para a vida selvagem porque não podíamos mais viver na nossa realidade. O plano era recomeçar nossa vida na qual não incluísse um coração partido.
Sem pessoas. Sem tecnologia. Sem interferência.
Apenas nós.
Uma chance de tentar juntar o que estava quebrado.
Mas a vida selvagem é indomável e rigorosa.
Brutal e implacável.
Não dá a mínima para os seus sentimentos.
A tragédia também vive lá.
Sem escapatória das verdades que não deixam você livre.
Tudo o que você pode fazer é sobreviver onde o amor, não importa o quão bestial, é a única coisa na qual você pode contar.
Confuso. Errado. Belo. Doentio.
O amor é selvagem.
E nós vamos libertá-lo."

Dez anos após perder seu irmão gêmeo e sua mãe cair em uma profunda depressão, Reed, o pai de Devon decide deixar para trás as memórias tristes e recomeçar a vida num canto distante, afastado e selvagem do Alaska. 

Infelizmente o plano não dá muito certo e nem bem eles chegam e já sofrem um acidente feio no qual Devon e Reed ficam machucados e Sabrina, a mãe, não sobrevive. A partir daí Devon e Reed terão que sobreviver à vida selvagem que os rodeia, e é uma provação atrás da outra, e como o local é isolado e remoto, não há para quem recorrer em busca de socorro.

Eles vão sobrevivendo como podem usando os recursos que têm às mãos, e logo Reed levanta uma cabana para ele e Devon se abrigarem melhor e tocarem a vida. O tempo vai passando, a vida é árdua e impiedosa, a vida selvagem definitivamente está à espreita, mas eles sobrevivem, mas tudo muda quando Devon faz 17 anos e pede à Reed um beijo de verdade.

A partir dali muitas coisas acontecem, coisas erradas, horríveis e inaceitáveis ao mundo exterior, mas que para o restrito mundinho de Devon e Reed não era. Os instintos de possessão e proteção de Reed estão elevados à milésima potência, mas mesmo assim ele não consegue impedir que a maldade invada a cabana dos dois e machuque Devon.

Mais uma vez a tragédia volta a se abater sobre a pequena família, deixando-a estraçalhada. O acontecimento mudou muito os dois, mas foi em Reed que a mudança foi mais forte. De repente, de protetor e provedor, ele se tornou um predador impiedoso, que faria de tudo para proteger o que lhe era mais sagrado... Segredos virão à tona e mais uma vez o perigo ameaça invadir a serenidade restabelecida na cabana. Será que haveria saída sem trazer mais tragédias à sua porta? 

Foi muito difícil ler e é mais ainda difícil falar sobre esse livro sem parar para pensar no quão errado é. Antes de mais nada, a autora avisa de todas as maneiras possíveis que o livro é dark e sobre tabu, então quem lê já sabe o que pode encontrar...

Como vocês puderam notar, o enredo de 'The Wild' envolve incesto, relacionamento entre um homem maior de idade e uma garota menor, e outras coisas mais... É um livro que não tem um propósito. Não traz nenhum crescimento para o leitor. Ele é cru e chocante, nada mais que isso.

Acredito que o real motivo que levou ao banimento do livro lá fora foi a questão do incesto e da idade dos dois. Tá, ok, tenho certeza disso... O que a galera lá fora está fazendo é levantar a bandeira da pornografia infantil em função de cenas explícitas, e honestamente, eu concordo. Só que daí fica aquela questão, né... Muitos dos romances contemporâneos que lemos hoje, são sobre adolescentes entrando na fase adulta, e temos muitas cenas de apimentadas e explícitas. Então levando isso em consideração, eles não deveriam também ser banidos?

E eu não vou nem entrar no assunto de uma dita cena em um dos livros do Stephen King...

Meu maior problema com 'The Wild' foi mais o que aconteceu no meio do livro do que com o relacionamento de Devon e Reed. As cenas de violência e brutalidade da parte que estou falando, me deixaram com um gosto extremamente ruim na boca e honestamente, gostaria de não ter lido aquilo, quem sabe pulado, mas enfim...

Um erro da autora foi ter retratado a dinâmica/relacionamento dos personagens como algo positivo, que não era o caso! É errado em tantas maneiras, mas adivinhem só: essa é a realidade que muitas pessoas vivem! Uma das minhas avós se casou aos 14 anos e meu avô tinha 24. Eu tenho uma amiga de 17 anos que namora com cara de 30... Eu mesma tive um relacionamento quando tinha 15-16 e o cara tinha 18-19. Seria esse relacionamento que eu tive pedofilia? Afinal, eu era menor de idade, e ele maior.

Quantas meninas jovens, provavelmente menores de idade, vemos no nosso meio namorando caras bem mais velhos? O que eu quero abrir aqui, é o questionamento de até onde é aceitável o relacionamento de pessoas com idades diferentes. Será que um jovem de 17 anos, são e saudável, é tão inocente assim que não saiba decidir por si só o que quer e com o que consentir? Obviamente não estou defendendo essa questão de uma pessoa maior de idade se relacionar com um menor e que também não estou levando em consideração casos reais de abusos (estupros).

Pedofilia é um crime horrível e inexcusável, não só para as vítimas mas também para todas as pessoas que acabam envolvidas, sejam os profissionais que auxiliam na investigação e no tratamento, seja a família ou a sociedade em geral. Só de pensar nos casos de pedofilia que vemos todos os dias nos noticiários já fico doente, não entra na minha cabeça como uma pessoa adulta pode machucar uma criança de uma maneira tão inconcebível.

Talvez este tenha sido o maior erro da autora, além de também romantizar o incesto (mesmo não sendo sanguíneo (spoiler)). No decorrer o livro a autora vai mostrando memórias antigas dos dois personagens onde fica claro quando e como começou o interesse de um no outro, fica mais claro e fácil de você tirar suas próprias conclusões...'The Wild' me lembrou bastante o livro 'Na Ilha', que tem uma história semelhante, embora não tão tabu e obscura. Uma amiga me disse que também lembrou de 'A Educação de Sebastian'...

Acredito que a autora deveria ter procurado outra forma de abordar a estória de Devon e Reed... Talvez se ela esperasse para colocar o começo do relacionamento dos dois quando Devon tivesse 18 anos, talveeeeeez não fosse tão chocante e talveeeeez não estaríamos falando tanto sobre esse livro.

Conversei com pessoas que nem conseguiram terminar de ler o livro de tanto nojo/asco que sentiram, eu, por pura curiosidade fui até o fim, e sei que muita gente fez o mesmo.  Não posso dizer que é um livro que eu tenha gostado ou não, porque como falei, não é um livro que acrescente algo na vida do leitor, além de choque. Mas é uma estória interessante para quem tem mente aberta, e não for sensível aos temas abordados.

Sei que muita gente vai condenar (e já estão condenando), como condenaram aquele livro 'Priest' da Sierra Simone, que foi outro bafafá em 2015. Muita gente vai detestar a leitura e nem conseguir terminar, como é o caso de muitas pessoas lá na gringa. Mas também vai ter gente que vai 'gostar' e isso não quer dizer que elas sejam doentes ou pervertidas.

Livros 'dark' são assim. Essa literatura não é para todo mundo, honestamente, nem para mim. De vez em quando leio livros mais obscuros, ou que contenham algum tabu, só que é muito raro eu trazer para o blog, porque eu sei que as reações não serão boas, ou talvez sejam, mas eu odeio me meter em treta.

Muita gente está dizendo que talvez tivesse sido melhor se a autora não tivesse publicado o livro e que, como ela disse em um comunicado quando a bomba explodiu, fosse melhor ela ter escrito e mantido para si. Mas acredito que o que devemos tirar dessa história toda, é: qual é o ponto máximo que a literatura pode ir antes de ultrapassar a linha do aceitável e do bom senso?
Como falei, o livro está banido, ou seja, não é possível adquiri-lo, pelo menos o ebook, mas eu sei que a autora tem links para compra na página dela no Facebook.

Outros links: Skoob - Goodreads

Beijos,
Mari.

11 comentários

  1. Obrigada por sanar toda a minha curiosidade em torno deste quiprocó. ;)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nossas trocas de informações são ótimas! Hahahah

      Excluir
  2. Que resenha boa essa!
    Você escreve muito bem!

    ResponderExcluir
  3. Mari, tudo bem? Que bom que a primeira resenha que achei foi sua. Estava muito curiosa para saber a opinião coerente de alguém, e com certeza fui ao lugar certo.
    O tema do livro realmente é tabu, obviamente que não há dúvidas de que pedofilia é crime, entretanto isso é uma história de ficção e considerei o estardalhaço bem desnecessário. Tivemos obras tão tabus como essa, e não houve tanta problematização, tais como as que você já mencionou e para a mim a mais tabu delas, que foi o Proibido. As pessoas estão militando a causa certa de forma equivocada, o livro é uma obra de ficção, lê quem quer e, quem não quiser, basta ignorar a obra. Acho que um autor tem o direito de escrever sobre o tema que quiser, esse tema pode ou não acrescentar algo construtivo em nossa vida, mas as pessoas precisam entender que, aquele que lê ou escreve temas tabus, não são criminosos nem monstros.
    Adorei ver seu ponto de vista e o quanto você foi coerente e concisa sua opinião.
    Bjo grande

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Verdade, Anastacia, concordo totalmente! Aliás, não lembro de 'Proibido' ser tão massacrado como o 'The Wild' está sendo... E é como você falou; militando pela causa certa mas de forma equivocada.

      Excluir
  4. Na sua resenha você falou sobre incesto e idade. Mas incesto é relação sexual entre irmãos, pais e filhos, não tem nada a ver com idade. Pedofilia é relação sexual com menor de idade.
    Eu não li o livro, e você não foi clara, então pergunto: o livro contém relação sexual entre pai e filha ou entre irmãos? Tem pedofilia também?
    A autora conseguiu romantizar esse assunto?
    .
    Ou ela foi corajosa ou inconsequente. Sei lá!
    Bjo florzinha

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Janise! Então, essas informações que você falou sobre o incesto, estão no primeiro e terceiro parágrafo da resenha... Se você der uma relida, ali tem exatamente quem é o 'Reed' e o que a personagem pediu para ele no aniversário de 17 anos... Beijo, flor!

      Excluir
  5. Eu achei o livro maravilhoso, a estória descreve um lindo amor e totalmente consentidos entre os dois.

    ResponderExcluir
  6. Eu achei o livro maravilhoso, a estória descreve um lindo amor e totalmente consentidos entre os dois.

    ResponderExcluir
  7. Eu li, e gentemmmm Que livro! O interessante dessa leitura além ada montanha russa de sentimentos que ela me fez sentir... foi ver a forma como fui me transformando durante. De estupefada á molhada foi por onde andei, com esse livro. Que no final, nada mais é do que uma linda esatória de amor, contada por uma autora corajosa. Enfim:: Amei!

    ResponderExcluir