Christina Lauren - Beautiful Bastard 04 - Beautiful Secret outtake: Oxford {tradução!}

People!

Acho que a Universo dos Livros deveria me contratar como tradutora! Hahahaha.

Acho que quando eu começo um post assim vocês já sabem no que vai dar né!? E vocês têm razão!

Essa semana saiu mais um trechinho do livro da Ruby e do Niall, 'Beautiful Secret', que seria o 4o livro da série 'Cretino Irresistível'! Muitos(as) me perguntaram quando que o livro seria publicado aqui no Brasil... Bom, a Universo dos Livros, editora que publica a série aqui, ainda não se manifestou, mas a editora sabe a fama dos livros no mercado brasileiro, então não deve demorar em comentar alguma coisa...

Eu sei que vocês já conhecem os avisos, mas é sempre bom lembrar: se vocês forem postar a tradução em algum lugar, não esqueçam de dar os créditos ao blog, ok?

Oxford

Ruby

Maggie parou no pequeno e compartilhado escritório depois de finalizar o dia de trabalho e sair, colocando sua mão no meu ombro. "Ainda trabalhando no relatório?"

Concordei com a cabeça, olhando por cima do meu ombro. "Quase terminando."

"Você está indo pela manhã?"

Clico em 'salvar' o arquivo e deslizo minha cadeira para ficar de frente a ela. "Sim, volto na segunda. Você tem certeza de que está ok? Eu realmente não preciso ir com ele, eu apenas conheci o noivo e posso assegurar que não se importarão por eu não estar lá.

"Claro que está tudo bem." Ela me assegurou. "Acho que o Niall vai adorar te ter pendurada em seu braço."

"Obrigada, Maggie."

Ela se sentou próxima de mim, sorrindo. "Correndo o risco de passar dos limites, estou muito contente de que as cosias tenham dado certo entre vocês dois. Gosto muito dele."

Comecei a agradecê-la e então imediatamente parei. Como é que Maggie sabia que houve momentos em que as coisas não tinham sido boas entre eu e Niall?

Suas sobrenacelhas levantaram, sua boca formou um pequeno 'o' de entendimento. "Ah, pisei no seu pé."

"Maggie," Eu a avisei brincalhona. "O quê está acontecendo?"

"Ele veio me ver," ela admitiu timidamente. Ela colocou uma mão na boca, parecendo tão jovem quando seus olhos brilhavam em divertida vergonha. "Oh, merda, ele vai me matar. Ele veio me ver quando vocês tinham acabado de se separar. Ele foi insistente em que eu não escutasse Tony."

"Ele veio aqui para dizer à você para aceitar no seu programa?"

Ela balançou a mão. "Foi alguns dias depois de você vir aqui. Assegurei à ele que sua presença não fazia mais do que me mostrar que ele tinha a habilidade de se apaixonar, o que, vou admitir, valeu o chá fraco e os coissants secos que sofremos naquele dia."

Minha curiosidade estava me comendo viva. "Maggie, você por acaso consegue se lembrar de que dia ele veio?"

Fechando os olhos, ela disse, "Bem, deixe-me ver. Foi uma quarta-feira porque eu tinha acabado o horário do expediente... primeira semana de abril..."

As coisas estavam se juntando na minha cabeça: eu tinha vindo vê-la na segunda-feira depois que eu tinha sido demitida. Niall veio naquela quarta-feira. Mais tarde naquela noite ele tinha vindo ao meu flat, professou seu amor, e nunca mencionou que ele tinha acabado de vir de Oxford.

Ele não precisava de crédito por tentar me ajudar. Ele apenas me queria.

"Eu tinha vindo ver você na segunda-feira daquela semana." Eu disse.

"Sim, você veio." Ela se levantou, acariciando meu ombro. "Tudo bem então, tenha uma boa viagem à Boston. Certifique-se de ter Niall numa pista de dança. Se memória serve para alguma coisa, ele é algo para se manter."

Atordoada, acenei para Maggie enquanto ela saia da sala e sentei, olhando o monitor.

Escutei os passos de Niall no corredor do lado de fora.

"Eu vim buscar minha namorada." Ele disse, entrando e beijando o topo da minha cabeça.

"Você veio ver Maggie?"

Ele se inclinou ainda mais, beijando minha bochecha, meu pescoço. "O quê é isso?"

Me levantei, virando e indo para seus braços. "Você veio aqui ver Maggie."

Eu não sabia por que isso importava tanto. Talvez fosse porque ele tivesse feito algo tão altruísta—não de uma forma para me ter de volta, mas porque ele sabia o quanto isso importava para mim. Ou talvez saber que ele tivesse recorrido à Maggie parecesse tão importante porque eu sempre ponderei secretamente se Niall tinha concordado com Tony nesse ponto—se ele tinha condenado Tony mas também visto meu comportamento como não profissional e, embora tivesse se apaixonado por mim, tivesse desejado que eu agisse de forma diferente.

"Eu vim ver Maggie quando?" Ele perguntou, e então suas sobrancelhas levantaram em entendimento. "Oh. Antes. Sim. Não é nada."

"Não é nada." Eu repeti, me esticando e beijando-o. "Tirando o fato de que é tudo. Meu namorado me apoia."

Ele concordou, dizendo. "De fato, eu apoio." Enquanto pegava minha pasta de trabalho e deslizava a alça pelo seu ombro. "Vamos?"

"Sim." Eu disse, inclinando-me para clicar no "enviar" do email com o relatório para Maggie. "Só tenho que desligar isso aqui e então serei toda sua."

Segui ele para fora do prédio e para a estrada onde ele tinha deixado seu pequeno carro. Ele tinha começado uma nova rotina de comutação entre Londres e Oxford na maioria das noites—normalmente de trem, mas quando ele podia, como nos finais de semana, Niall me pegava na faculdade e me levava para seu flat.

Eu suspeitava que ele gostasse ainda mais de dirigir desde que ele me disse uma vez, "Minha namorada pode me presentear com o mais sublime prazer oral enquanto estamos na estrada."

Eu adorava a estrada, também. Seu carro era minúsculo, e parecia como uma doce e perfeita bolha onde nós podíamos falar de tudo sem vergonhas ou filtros.

Ele me seguiu para dentro, me beijando novamente antes de ligar o carro e colocar sua mão esquerda em minha perna enquanto dirigia para longe do campus.

"Tudo bem?" Ele perguntou.

"Estou bem."

Conversamos sobre o relatório que eu tinha feito, e demos pouca atenção para o deslize de Maggie. Niall não queria ficar ligado àquele tempo—talvez porque ele não quisesse reviver a dor ou porque sua lealdade era mais profunda do que eu tinha previsto; ele tinha seguido em frente. Ele me contou sobre o seu dia—uma reunião com Richard do RH para esclarecer os termos dos estágios, os ajustes finais dos projeto do Diamond Square—e então caímos em um fácil silêncio. Tony tinha recentemente saído da firma, e eu sabia que isso tinha deixado Niall tenso quando seu ex-colega surgiu na conversa: ele se sentia como se tivesse deixado pontas soltas com Tony por muito tempo. Ele se sentia responsável por muitas outras coisas.

Apertei meus olhos, fechando-os, respirando profundamente para clarear minha mente e tentei aliviar o estresse que sempre me batia, também, quando pensava sobre Richardson-Corbett.

Como Niall me disse em uma ocasião: Para frente.

Respirando profundamente mais uma vez, eu cantarolei, amando o cheiro da loção pós-barba de Niall, adorando a sensação do algodão de sua camisa onde o punho tocava minhas pernas, adorando seus longos dedos espalhados no topo da minha coxa.

Como se ele estivesse lendo meus pensamentos, sua mão deslizou para debaixo da minha saia e pressionou seus dedos entre minhas pernas.

"Estou pensando em beijar você aqui."

Virando minha cabeça para olhá-lo, eu disse, "Bem, agora eu também estou."

Ele olhou para mim, olhos suaves, cílios escuros contra sua tez quando lentamente voltou sua atenção para a estrada. "Me diga que você me ama." Ele disse suavemente.

Senti um enorme sorriso se espalhar pelo meu rosto. "Eu amo você."

Ele gemeu, seus dedos deslizando para dentro da minha calcinha.

"Preste atenção na estrada, senhor."

Niall me deu uma pequena visão de um sorriso. "Estou apenas sentindo."

Fechei, rapidamente procurando pelo ponto onde eu talvez precisasse dizer a ele para encostar o carro para ver se era fisicamente possível fazer sexo neste carro.

"Que horas e o nosso voo?" Eu perguntei sem fôlego.

"Cedo." Ele disse. "Eu acho que é às cinco. Talvez tenhamos que pular o sono."

Deixei escapar um gemido quando ele deslizou dois dedos para cima e para baixo no meu clitóris.

"Eu quero ir para casa e deitar nu no tapete e nos alimentar." Ele murmurou.

"O que você quiser, só não pare o que você está fazendo com a mão."

Eu podia ouvir o tom brincalhão na sua voz. "Talvez macarrão? Comida tailandesa soa bom?"

Meu orgasmo estava crescendo tão quente e forte bem onde seus dedos estavam brincando. "Tão bom."

"Depois, eu quero que você me cavalgue. Eu quero sua bunda em minhas mãos e esses gloriosos seios na minha boca."

Ele deu um suave apertão no meu clitóris, esfregando em pequenos e apertados círculos e senti minhas pernas se abrirem o máximo que o assento do carro deixava, espalmando uma mão na porta e a outra no console do carro e gozando tão forte que minha voz estava rouca no momento em que voltei à Terra.

Os dedos de Niall se acalmara e ele deixou-os descansar na parte de dentro da minha coxa. "Bom?"

"Puta merda." Passei uma mão trêmula em meu pescoço. "Não sabia que você era ambidestro."

"É bom que eu tenha um carro automático, admito isso."

Rindo, fechei meus olhos, descansando minha mão sobre a dele. "Se você espera que eu fique acordada depois disso, você é insano."

Ele ficou quieto por alguns minutos antes de dizer, "Minha mãe estará no casamento. Você ainda não a conheceu, mas ela está muito contente de conhecer você."

"Eu também." Eu disse a ele.

"As pessoas vão perguntar para ela neste final de semana se eu e você vamos nos casar."

Meus olhos abriram. "Não irão. Oh, Deus, sua pobre mãe."

"Oh, por favor. Minha mãe adora falar sobre casar seus filhos, e nós iremos à um casamento. As pessoas não têm limites em casamentos." Ele parou enquanto todo o cenário parecia ganhar vida em sua mente. "Então ela vai me perguntar, com certeza." Seu rosto estava franzido. "Puta merda, espero que ela não pergunte para você, mas se ela perguntar... Direi para ela que claro que é cedo, e—"

"Céus, apenas diga para ela que iremos nos casar." Eu disse, balançando minha cabeça e fechando meus olhos. Eu amava tanto o jeito atrapalhado de um Niall em pânico que quase coloquei sua mão novamente debaixo da minha saia, mas estávamos indo na direção de outros carros. "Quero dizer, óbvio que iremos, mas tipo em dois anos ou algo assim. As pessoas precisam se acalmar."

Abri meus olhos e olhei para ele.

O Número de Vezes que Niall Não Pôde Esconder Seu Enorme Sorriso Quando Eu Disse Que Iríamos Nos Casar Algum Dia: Um.
Se vocês quiserem conferir o texto em inglês, vocês poderão encontrar no site das autoras, clincando aqui.

Já vimos o primeiro capítulo de 'Beautiful Secret'... Oi? Como assim vocês ainda não viram? Pode isso, produção?? Pois vamos remediar essa situação já! Clique aqui para conferir o primeiro capítulo do quarto livro da série 'Cretino Irresistível' e divirta-se! 

Se você acompanha o blog, sabe como eu adoro essa série, mas se você é novato por essas terras compulsivas, abaixo estou colocando os links para os meus comentários sobre a série e outras traduções:

        * Livro 1 - Beautiful Bastard - Cretino Irresistível
        * Livro 1.5 - Beautiful Bitch - Cretina Irresistível
 
        * Livro 2 - Beautiful Stranger - Estranho Irresistível


        * Livro 3.5 - Beautiful Beginning - Noiva Irresistível

        * Livro 3.6 - Beautiful Beloved

        * Livro 4 - Beautiful Secret

Trechos traduzidos:







Lembrando que qualquer informação ou tradução que forem reproduzir em algum lugar, não esqueçam de dar os devidos créditos ao blog... 

Espero que vocês tenham gostado!

Beijos,
Mari.

0 recadinhos :

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...