Christina Lauren - Beautiful Bastard 03 - Playboy Irresistível {Extra Will & Hanna}


Oi, oi gente!

Parece que a série 'Cretino Irresistível' é o tema da semana aqui no blog!

Esses dias uma leitora veio que contar que as autoras haviam liberado um outro trechinho e me pediu a tradução. Pois bem, essa semana estava bem corrida para mim, e só agora consegui dar uma parada na frente do computador... Então vamos lá!

Bem, esse trechinho se refere ao casal Will & Hanna. Para vocês se situarem melhor no tempo e espaço da série, acontece APÓS o jantar de ensaio de casamento da Chloe e Bennett em 'Noiva Irresistível'...

Provavelmente outros blogs já terão traduzido o trecho a seguir, mas... 

Antes de mais nada... Vamos ao aviso de sempre: se forem reproduzir a tradução em algum lugar, por favor, não esqueçam dos créditos ao blog, ok?!

"Hanna - POV (ponto de vista)

Faz 17 minutos e 36 segundos desde que Will foi ao banheiro e ligou o chuveiro. Por 7 desses minutos, o chuveiro tinha estado desligado e o banheiro em completo silêncio.

Eu queria bater na porta, para perguntar se ele estava bem ou se estava surtandoporque uma considerável fração de mim estava surtandomas se ele não estivesse surtando, então saber que eu estava talvez o levasse a surtar também, e então a noite toda seria uma bagunça.

"Lembra daquela coisa que eu me referi no avião?" Ele perguntou.

"Refresque minha memória, jogador."

Seus olhos se apertaram, e a sala cheia de gente para o jantar de ensaio de casamento de Chloe e Bennet ficou em silêncio, em uma dessas estranhas ondas, onde parecia impossível para uma centena de pessoas não fazer som algum. Eu jurava que poderia escutar a respiração dele, podia ver o suor aparecer em sua testa. Ele era uma bagunça aterrorizada e nunca pareceu mais lindo para mim. O amor é estranho.

"Casa comigo?" Ele disse.

Eu caminhei para ele, peguei o microfone que estava tremendo violentamente em sua mão, e sussurrei para que apenas ele pudesse ouvir. "Me pergunte novamente de noite. Eu mostrarei o quanto quero isso."

O sorriso dele era tão grande, com tanto alívio e antecipação, mas agora, aqui estou, sozinha em nosso quarto de hotel zapeando os canais da televisão local.

Friends
Simpsons
Buffy
Algum filme com Bruce Willis.

E Will está atrás da porta fechada. Vamos ser honestos: ele está surtando totalmente.

#

29 minutos e 46 segundos depois que ele entrou no banheiro, Will finalmente sai. Ele tem uma toalha enrolada no quadril, seu cabelo fora penteado com os dedos e ainda está molhado, ele se barbeou e, minha nossa, se as coisas não estivessem um pouco estranhas entre nós, eu já o teria deitado de costas e estaria montando nele como um touro rodeio no chão.

Eu deveria ter dito um simples 'sim' esta noite durante o jantar? Aí parece ser onde eu sempre estrago as cosias: dizer sim com o seu pau em minha boca parece uma maneira muito mais interessante de aceitar um pedido de casamento. Mas talvez quando a perseguição das gêmeas chegasse ao fim, e a exaustão da semana insana do casamento de Chloe e Bennett, algo que nós admitiríamos que fora uma estelar—e muito constante—férias sexuais, Will queria que eu lhe desse um simples 'sim' e acabar com isso.

A verdade é que eu não sou assim tão simples. Não ando em uma linha reta. Eu ando para lá e para cá, e pondero e me perco nas tangentes e quero saber o que ele estava pensando nesta noite em particular. Eu quero falar sobre isso e avaliar e ter certeza de que é isso que ele quer. A tatuagem em minha pele, permanente agora—Tudo o que é raro para o raro—na mais bem escrita letra de Will, e o meu H está igualmente tatuado em seu quadril, mas o que o casamento nos dá que esses símbolos não?

Claro, nos dá tradição e uma base, dá à nós dois uma ligação que para mim tem muito peso, e esse conhecimento aberto do nosso comprometimento de um futuro juntos. E alguns ótimos benefícios ficais, eventualmente, vamos ser honestos aqui. Minha resposta sempre seria sim. Ele poderia me pedir para correr pelada ao redor do hotel com ele e eu diria sim para isso, também, porque eu queria todas essas aventuras com ele. Mas quando conversamos sobre casamento, queria que fôssemos nós, sozinhos. Definitivamente nus e no caminho de colocar algumas de suas partes dentro de mim. Eu queria que ele me pedisse de novo, só nós, para que eu pudesse ver seu rosto e escutar sua voz e saber que ele não está fazendo isso só porque ele acha que deve, ou que—embora menos plausível—ele se viu pego pelo momento.

Eu queria que ele fizesse isso porque ele não pode imaginar outro caminho para nós.

"Você está bem aí?" Eu perguntei.

Ele se inclina e procura por uma boxer em sua mala. "Sim, por que?"

Porque estamos na Califórnia e antes de virmos, você me deu uma longa palestra sobre 'a escassez dos recursos hídricos da Califórnia e como isso afetará a economia e o meio ambiente do estado durante uma das piores secas já registradas.' e como eu não deveria demorar no banho mais do que alguns minutos se pudesse. E, a propósito, depois que você me pediu em casamento e eu sugeri que você me perguntasse novamente quando nós estivéssemos aqui juntos, e nus, e sozinhos, você demorou 10 minutos no banho e então mais 12 minutos para se barbear.

Ele solta a boxer em vez de vesti-la e para nos pés da cama em toda sua altura, tatuada, nua e escultural glória. E me deixe tomar um momento para descrever o quanto eu amo olhar para Will nu. Ele nem está de pau duro, está apenas relaxado, e tão à vontade com sua própria pele que eu quero escalá-lo e entrar em sua pele e fazer de lá minha casa, também.

"Hanna Bergstrom. Você está surtando."

"Não estou."

Seus olhos azuis se arregalaram em diversão. "Está sim."

"Você está." Eu rebati.

"Eu não estou."

Ele coça o queixo bem abaixo do lábio e eu preciso dele me beijando agora agora agora. Eu não tenho ficado sozinha com ele desde esta manhã quando ele me encurralou na cama e me atacou como se fosse a nossa primeira vez, selvagem e barulhenta e tão dura que ele estava gotejando, suando, e eu gozei tão forte que ele teve que me tirar da cama e me levar para o chuveiro.

"Estou acabado de hoje." Ele diz. "Eu queria um tempo para tirar a pressão para que eu pudesse focar em você por um pouco agora que estamos juntos."

"Oh."

Ele escala o colchão, engatinhando. E agora, sim, ele está bem duro. "Eu queria minha rosto barbeado para que eu não arranhasse as suas coxas com a minha barba."

"Isso... foi atencioso."

Ele se inclina, beija meu joelho nu. "Bem, essa é uma noite importante para mim."

"É?"

"Estou pedindo você em casamento duas vezes." Ele raspa os dentes pela minha perna, do joelho ao meio da coxa. "Parece que é um bom momento para impressionar minha senhora."

"Will Sumner, você é um pedaço de mau caminho."

"Você poderia tirar esse pequeno short," Ele diz, puxando a barra do meu pijama com os dentes, "e eu poderia ser um pedaço de mau caminho dentro de você."

Nós dois paramos de nos mover e olhei para ele por um momento. "Parece que você quer subir aqui e colocar algumas armadilhas."

Ele sorri. "Sim," ele diz com uma pequena risada, "isso soa melhor na minha cabeça."

Suas mãos sobem e meu short desce e oh. Eu acho que antes de fazermos qualquer coisa tão formal quanto um pedido de casamento, nós vamos fazer isso: os lábios dele no meu quadril e então entre minhas pernas, umidade e língua deslizando e círculos ao redor do meu clitóris, e a sugestão de uma mordida que me deixa arrepiada.

Ainda mais do que seu ataque orquestrado ao meu corpo—quando ele sintoniza tudo certinho para me ter estremecendo e implorando e gritando por mais—eu amo sua queda em uma fome caótica, quando ele é todo dentes e grunhidos, seu rosto inteiro entre minhas pernas, mãos e dedos cravados em minha pele para manter minhas coxas tão abertas quanto ele precisa. Eu adoro quando ele é um amantes desleixado mais do que nada porque isso me diz que ele está perdido nisso. Perdido em mim. Eu sei sem que precisem me dizer que Will era um amante preciso antes de mim. Perfeito na execução, passional o suficiente para satisfazer todas as partes, mas nunca tão selvagem que ele se perdesse em si. Mas comigo, algumas vezes ele vai para lá e para cá, e pondera e se perde nas tangentes. Não há fim iminente para isso, nós temos a noite toda. Ele toma o tempo necessário e finalmente, finalmente deixa si mesmo ser algo além de controlador e distante.

Como agora. Sua língua está em todos os lugares e não onde eu preciso, mas eu não me importo. Sua boca em mim é apenas um pouco para mim. Com frequência é mais para ele, para meu gosto e sons e o movimento do meu quadril—perto, perto, ali. Ali. E então nos encontramos no local onde é para nós doiso que eu quero ter e o que ele quer dar e fica maior e maior. Maior do que este quarto, maior do que o ar do lado de fora. Maior do que as palavras 'casa comigo' ou 'sim' ou 'me peça de novo'. Mas eu digo de qualquer maneira.

Sim. Por favor, sim. Por favor, sim.

Estou gozando e minhas pernas estão fechando em sua cabeça, e ele está lutando contra mim com um rosnado até que eu me perco, estrelas atrás dos meus olhos e a felicidade se espalhando pelo meu sangue.

"Sim?" Ele pergunta, sorrindo.

"Sim, eu me casarei com você."

"Mas eu ainda não perguntei de novo." Ele escala meu corpo, queixo molhado, lábios molhados, dedos molhados.

Sem palavras, ele me pede para chupar seu pau. Ele empunha a base e olha para meus lábios enquanto eu os lambo, então o chupo. Incapaz de resistir, ele desliza o dedo ao longo de seu pau porque ele gosta de sentir minha língua na ponta de seu dedo.

Com um inclinar de cabeça para ter uma visão melhor, ele me diz, "Deixe bom e molhado."

Eu não posso sorriso ao redor dele, então meus olhos fazem isso por mim.

Ele está molhado agora. E duro. Lentamente puxando de minha boca, ele está mudando de posição e deslizando para lá, contra a suavidade, maciez da pele, em seu lugar preferido e onde eu juro que Will poderia algum dia construir uma casa de veraneio e uma de verão e sua sepultura. O espaço entre meus seios conheceu mais de seus beijos, palavras sussurradas, e o leito de seu pau mais do que qualquer outra parte de meu corpo.

"Me aperte. Me engula todo." Ele grunhe.

Aqui parece ser que o prazer seja todo dele—seu pau, entre meus seios—mas na verdade, é para mim. A tatuagem em H bem em frente aos meus olhos, se aproximando e afastando com o flexionar de seu quadril. Ele observa a cabeça aparecer e desaparecer entre meus seios. Eu observo sua tatuagem. É preta e grossa, e—embora eu não saiba como—mais escura do que as outras. Não é porque é nova—ele tem uma mais nova em seu antebraço, incorporado e quase escondido em sua dupla hélix. É como se o H fosse mais densotinta sobre  promessa sobre  amor sobre devoção sobre tinta. Pressionados sobre as camadas de sua pele, e eu nunca posso resistir em tocar com a ponta do dedo. Como seu dedo em minha língua.

Corri as pontas dos dedos na tatuagem dele enquanto ele aperta meus mamilos e resmungava palavras sujas sobre meus peitos e minha língua molhada e se eu queria que ele gozasse no meu peito ou no meu cabelo ou ente minhas pernas—embora não fossem perguntas, não realmente. Will é tão obsceno, e parece que ele fica mais e mais aberto comigo com o tempo. Eu quero ele assim. Ele é cada fantasia que eu nunca sabia que tinha, e eu darei à ele qualquer fantasia que ele quiser.

Ele se afasta, dá um tapa em meus seios com seu pau e toma uma decisão. "Role, amor."

Depois que eu me sento e beijo seu peito, seu pescoço e seu maxilar, faço o que ele disse. Ele me observa cada segundo, de alguma forma seus olhos estão tão duros quanto gentis. Duros porque ele está se segurando fortemente, querendo apenas foder. Gentil porque, olá. Ele me ama mais do que eu pensei que fosse capaz de amar.

Minha coluna arqueia, como um reflexo de suas mãos descendo por minhas costas até a curva de minha bunda, e ele levanta meu quadril o suficiente para lamber meu clitóris por trás—e então lá está ele. No limite. Provocanto para dentro e para fora, dentro e fora.

"Will."

Com um gemido ele desliza todo o caminho para dentro e está tão fundo, tão fundo que não importa quantas vezes ele me fodeu por trás, sinto como se fosse o limite entre o vital e gentil, como meus pulmões ou meu coração ou minha garganta. Ele para, me dá um tapa. Me deixa recuperar o fôlego antes de deslizar suas palmas pelas minhas costas, me nivelando com a minha barriga e ele está por toda a minha pele, todo seu peito cobrindo minhas costas, me fodendo lentamente e com estocadas que duram uma eternidade.

"Você me ama?" Ele pergunta na pele morna atrás da minha orelha.

"Mais do que tudo."

Seus lábios se movem, sua língua envolve o lóbulo de minha orelha. Ele me morde, chupa, então sussurra, sua voz saindo em pequenas expirações, "Não foi só no avião. Não foi só essa noite. Não consigo para de pensar nisso."

Nisso... Casar comigo...

Ele se afasta, estocando dentro de mim enquanto eu choro sim e sim e sim, e esse Will é preciso e controlado e cuidadoso. Ele está pensando mais sobre as palavras do que no prazer. "Morar com você." Ele diz. "Uma casa com jardim." Ele está sem fôlego, um pouco. Suas mãos vão para baixo de mim para brincar com meus seios. "Porra." Ele geme em um sussurro. "Você parece como um punho ao redor de mim. É bom? Está bom?"

"Sim."

"Sim, é bom. Tão malditamente certo." Ele desliza para dentro, e para fora, é grosso, alongando, um prazer que parece irradiar para todos os lados, de todos os lados, cada parte de mim e em mim. Eu não sei onde meu orgasmo começa ou como se constrói, mas se forma. Está dentro de mim e junto de minha pele e mais fundo Will, mais fundo.

Seus dedos deslizam para baixo e brincam no meio das minhas pernas. "Eu não quero uma tatuagem ou uma namorada. Eu quero sempre. Eu quero uma esposa."

"Sim?" Eu gemo.

Ele me vira de lado e se alinha comigo, olhando no meu rosto, minha perna sobre seu quadril e ele é gentil agora, mais do que estava antes, de trás. Estou tão molhada, ele deve adorar isso.

Ele adora, alcançando no meio de nós para sentir a parte de si que desliza para fora, escorregadio. Seus dedos molhados sobem pelo meu corpo, envolvem meus seios. Me sinto pesada e sensível em suas mãos e ele chupa meu mamilo antes de finalmente, finalmente levantar a cabeça e me beijar de olhos abertos, cheio de alguma emoção que não estava aparente antes, para ninguém.

Ele me absorve nesses pequenos e molhados beijos. Lábios e língua. Lábios. Oh, seus lábios. Macios e fortes e demandantes.

"É disso que você precisava?" Ele pergunta, se afastando. Seus olhos estão tão claros agora, nem um pouco provocantes. Will conhece o sexo e o prazer, mas nos últimos meses nós percebemos que teremos que passar pela parte das emoções juntos. Nós ficamos sem esperanças algumas vezes ao perceber o que nós deveríamos estar fazendo... é tão mais fácil apenas perguntar.

É isso?

Estou dando a coisa certa?

Estou fazendo isso direito para você me querer para sempre?

Eu concordo com a cabeça. "Era isso que eu precisava."

"Só nós?" Ele sussurra, rolando para cima de mim. "Só eu, falando sobre o quão apaixonado estou por você enquanto eu digo a você que eu preciso passar o resto da minha vida com você?"

Eu concordo novamente, me perdendo em seu beijo, faminta por mais do que ele está me dando. Ele fora controlado e sedutor mas eu quero língua e sons e o abandono que dá lugar à dentes e talvez uma mordida mais forte, o gosto de sangue. Eu quero o seu desequilíbrio, gemidos desesperados quando ele está tão perto e tão perto e mais perto e minha mordido o pega ali.

"Eu queria sentir você assim." Eu admiti.

"Forte?" 

"Sim." Eu gemi, embora fosse o que eu queria dizer e não. Eu queria ele forte porque significava que ele estava faminto por mim, mas mais do que isso, eu queria sentir nada mais do que nós no quarto.

O pensamento—é oficial: nós tivemos essa coisa de tremor de terra entre nós, e uma vida que iríamos construir juntosme quebra e faz minha garganta apertar, meus olhos queimam como se eu fosse chorar, mas apenas porque a sensação arrasadora que eu tenho quando penso nele faz minhas emoções amplificarem. Uma enorme felicidade que faz meu coração doer. Alívio tão intenso que faz meus músculos apertarem.

Ele olha para mim, meu perfeito imperfeito Will com seu cabelo escuro caindo nos olhos e seus lábios separados como se ele fosse se inclinar e morder, seus braços tatuados tão rígidos enquanto ele paira sobre mim, e ele deve ver algo em meu rosto porque sua expressão se quebra e seu controle se esvai. No seu lugar está essa euforia, o sorriso de alívio e ele se afasta uma vez, cuidadosamente, antes de se mover tão rápido, tão forte que meu corpo enverga, se contraindo sob seus movimentos.

"Você pertence à mim tão completamente." Ele diz entre uma risada, ou um gemido, ou os dois.

Minhas bochechas coram e a cor se espalha por meu peito, porque agora eu sei que ele viu tudo o que estou pensando, o 'eu amo você' e o 'eu preciso de você' e o 'eu faria qualquer coisa por nós'. Sério, qualquer coisa. Brasas e desertos áridos não são nada comparados com o meu puro desejo de manter essa pessoa no meu coração e sobre meu corpo e definitivamente alimentando perguntas e sonhos no meu cérebro.

Sensações sobem como fumaça sobre minha pele e estou puxando ele para perto e para cima de mim, todo aquele peso sólido e ele está suado e escorregadio, pele tão quente, gemendo tão profundo e faminto contra meu pescoço para gozar,

goze,

por favor, amor, goze, eu não

eu não

eu não sei se consigo segurar. 

Meu orgasmos explode dentro de mim, ameaçando me transpassar e então estou fazendo aquele som que ele adora, o afiado gemido que quebra todas as minhas palavras. O rosto dele está pressionado contra meu pescoço, beijando, e mordendo e me amando com seus braços presos debaixo de mim e segurando meus ombros para que ele possa empurrar mais profundo quanto é fisicamente possível quando ele goza depois de mim.

Ele está parado, respirando pesadamente contra minha pele como ele faz quando corre. Eu corro meus dedos pelas suas costas suadas, sobre sua bunda para segurá-lo bem ali. Em mim, profundamente.

"Casa comigo?" Ele pergunta.

"Sim."

Ele exala, longa e lentamente, beijando o sal do meu suor em meu pescoço e então traz esses perfeitos lábios para os meus. Com um sorriso, ele me beija como se estivesse exausto e feliz e satisfeito...mas então ele aprofunda, com língua e sons e seu quadril começa a se mexer, apenas um pouco, como se ele ainda não tivesse terminado ainda. "Você tem certeza que não quer me fazer perguntar de novo?""
 
Sassinhora! Alguém ligue o ar condicionado! Eu sempre achei 'Playboy Irresistível' um dos livros mais quentes da série... e aí está! Hahaha

Lembrando que a série terá mais dois livros, um nos contando mais um pouco sobre o casal Max & Sara (Beautiful Beloved) e outro sobre o irmão de Max, Niall (Beautiful Secret). Essa semana fiz um post sobre o livro do Max e da Sara, se você ainda não viu corre que eu postei a tradução de um trechinho, é só clicar no link abaixo:

             * Beautiful Beloved - Max e Sara

Se você acompanha o blog, sabe como eu adoro essa série, mas se você é novato por essas terras compulsivas, abaixo estou colocando os links para os meus comentários sobre a série:

        * Livro 3.5 - Beautiful Beginning - Noiva Irresistível
        * Livro 3.6 - Beautiful Beloved
        * Livro 4 - Beautiful Secret

Esses dias eu postei no facebook do blog sobre a capa do 4o livro da série, que será sobre o irmão do Max, Niall, que aparece no trecho que foi liberado em Beautiful Beloved...

O livro do Niall tem previsão de lançamento na gringa para a primeira quinzena de abril (2015), mas ainda não tem sinopse disponível, então vocês terão que se contentar apenas com a capa por enquanto...

Max & Sara                                                                  Niall
Beijos,
Mari.

3 recadinhos :

  1. Mari, que delícia encontrar alguém e um lugar em que estas histórias que tanto gostei não morrem! Adoro essa série, esses personagens, as autoras, mas penamos com a demora nos lançamentos aqui no Brasil e hoje tive a grata surpresa de encontrar seu blog!!! Vc sabe alguma coisa sobre o filme?

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...